officialchampioncynthia:

eroge! h mo game mo kaihatsu zanmai

Lispector; Jubs.

Gente eu fico me perguntando: Pra quê, meu Deus, pra quê? Home não presta, se é um pinto que ta te fazendo falta, cara, compra um vibrador, mas não vai na onda de homem. Gente, tem coisa melhor do que um vibrador? Você vai lá e escolhe do jeitinho que você quer, do tamanho que você quer. Tudo certinho, ele não vai te impedir de sair, ele não vai te fazer cobrança. Mano, eu não me conformo com essas meninas q fica com cara por causa de pinto. Gente tem tanto pinto aí bonito no mercado. E você fica se sujeitando por causa de um pinto? Cara, na boa eu não entendo. 

Enquanto você está procurando a pessoa perfeita, existem inúmeras pessoas sendo felizes com os imperfeitos. Os defeitos se adaptam ao amor. O amor tudo suporta.

Dois tons de amor (via friorentar)

(Fonte: doistonsdeamor)

Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado… Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos, chinelos de dedo e cabelos emaranhados… Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso pelo encontro que está marcado para a noite… Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado… Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela… Se você preferir fechar os olhos, antes de ver a outra partindo: é o amor que chegou na sua vida.

Carlos Drummond de Andrade.    (via inverbos)

(Fonte: so-quotes)

De repente você percebe que não faz mais a mesma falta que fazia antes, que não agrada mais tanto quanto você achava que agradava, e isso dói. Nossa, isso dói muito. Dói porque nunca esperamos um fim de algo que nos faz tão bem, nunca esperamos um dia viver sem aquilo que nos motiva e quando perdemos o amor, nós nos perdemos.

O Pequeno Bob. (via repouse)


Taylor Swift - Shake It Off

(Fonte: youtube.com)

Desamarra a cara, perdoa minha voz alterada, meu olhar vazio, minha rispidez. Esquece a mágoa, aceita minhas desculpas, faz as pazes com meu coração. A vida é curta para a gente guardar rancor e alimentar desilusões.

Gabito Nunes (via palavrisses)

(Fonte: ga-bi-to)

Não sei lidar com o que carrego no coração. A primeira vez que gostei de alguém, eu tinha nove anos. Por mais que eu gostasse bastante, nunca soube como dizer isso à ela, assim, na lata. Alguns meses depois, ela estava de malas prontas para ir embora da cidade, e eu, sem saber o que fazer, só desejei uma boa viagem, com o coração querendo pedir para que não fosse. Quando fiz quatorze anos, gostei da minha vizinha, foi estranho. Eu à olhava por um buraco no muro que separava nossas varandas, meio babaca, reconheço, mas era o que eu conseguia fazer. Um dia ela subiu no muro, e eu estava à olhando, ela sorriu e quase tive um infarto. O importante é que me senti feliz por um momento, quando ela me fez alguns elogios sobre a aparência, e olha que nem sou tão bonito assim. Em algumas semanas de conversas, ela disse que estava gostando desse meu jeito meio inútil de ser. E, novamente, eu não soube o que fazer. Alguma semanas depois, o pai dela foi assassinado dentro de casa, ela se mudou, eu à perdi também. Aos quinze anos me apaixonei por uma menina da escola, não esperava muita coisa dela no começo, nem de mim, pra variar. Até que, em um dia qualquer, nos falamos pela primeira vez, sentados, enquanto eu tentava à olhar nos olhos e não conseguia. Por ironia do destino, dias depois, ficamos. Olha só que beleza, olhando assim até parece que algo deu certo comigo. Não, não deu. Namoramos por três meses e como de costume, acabou. Não deu, valeu a tentativa. Ou não valeu. Tenho essa perspectiva de não ter aprendido nada com os amores que a vida deixou pra trás.

Junior Lima.   (via inverbos)

(Fonte: recomendar)

Não posso continuar fingindo que está tudo bem quando na verdade não está. Não posso me iludir com os “finais felizes” por que eles de fato não existem. Não posso olhar e tentar refazer toda a minha rotina, como se tudo fosse mudar, quando na verdade não posso mudar nada. Acho que não está no meu script ser feliz, pois na maioria dos momentos não sou, apenas finjo ter felicidades efêmeras. Felicidade a qual acaba com um ultimo gole de wisk, e com uma última tragada do meu cigarro favorito.

Wallacy Richard (via manuscritas)

(Fonte: abominou)


Lonely The Brave - Victory Line

(Fonte: youtube.com)

Sou a mudez de uma fala interrompida pelo descaso da coloquiedade humana, aliás sem sequer sou humano; nem sei ademais, o que sou.Tenho olhos de uma águia decrepita pelo tempo vivido no qual nada se comera e em que nada se alimentou por ter adquirido uma bulimia. A pele que abrangia meu corpo fraco e boêmio revela uma cor que há muito fora banida pelos artistas plásticos duma existência nada habitual; tenho asas nos olhos, tenho piranhas na boca, tenho um abismo no meu peito esperando você se atirar ou perder o equilíbrio e cair nas minhas garras, ahh …tenho tudo; mas no entanto, não tenho nada. não tenho seu rosto marcado por uma beleza singular que me é o regresso de uma tempestiva e alegórica fantasia, não tenho seu corpo másculo que mais parece toda a muralha da China, o que na verdade é uma heresia, eu consigo adentrar os espaços de um muro fortemente construído e mantido há séculos. Eu lhe tive em minhas mãos, lhe tive como um pássaro caído do ninho e acolhido por um garotinho, eu sou o menino que lhe trouxe carinho; lhe tive de uma forma que nunca antes alguém tivera. Cuidei dos seus machucados, das suas cicatrizes incuráveis, cuidei da sua incapacidade absurda de me ter por perto, cuidei esperando algo bom para se contar no fim da vida, e foi nisso que tombei em mim, cuidei esperando o reciproco. O que me rendeu alguns trancos e barrancos e uma cicatriz de saudade.

Vinicius Cinereo.   (via pronuncio)

(Fonte: racionador)

Eu queria uma luz, alguma coisa que mostrasse que eu já posso seguir sem precisar de uma mão pra me ajudar atravessar a rua. Eu só queria saber se estou acertando os passos mesmo com tantos tropeços. A vida é assim mesmo? Será que eu consigo? Vem me dar um empurrãozinho de vez em quando e um colo pra chorar de vez em sempre. Se você estiver me ouvindo agora, um dia me leva pra conhecer a sua casa? Quero saber se foi pra um lugar melhor do que ao meu lado. Aparece aqui qualquer dia, mesmo se eu não puder te ver ou te ouvir. Eu sempre vou saber onde você está, até mesmo se for naquela brisa que balança os meus cabelos mostrando a direção em que preciso ir. Mostrando o novo caminho que eu preciso seguir.

As cartas que eu não mandei. (via univerbos)

(Fonte: acrescentada)





Enchanted Broken